Archive for dezembro, 2008

“NÃO HÁ PERDÃO PARA O CHATO”

terça-feira, dezembro 2nd, 2008

De Patricia Mellodi

Quem não conhece um chato de calocha, chatinho, chato pra caralho? Aquele tipo que não há quem não concorde: Chato! Aquele que desde pequeno ouve: Que menino chato, meu Deus! Comprovando a teoria que não se aprende a ser chato, já se nasce chato.
O Chato sempre escolhe a pior maneira de falar, de se comportar, de ser inconveniente. A teimosia é a força de vontade do chato e quando você diz que ele está errado ele responde:
– Eu sei!
Porra! Se sabe por que fica teimando?
Normalmente o chato já começa a frase assim:
– Eu não quero ser inconveniente… E é! Despeja absurdos sem o menor pudor ou consciência. Ele é super espontâneo e acha isso muito bonito!
Eu conheço uma penca de chatos. Tenho um colega que é muito chato. Ele sempre repara no meu peso, no meu cabelo, nas minhas unhas… Tem sempre um comentário que me deixa sem graça e com vontade de entrar no chão. Outro dia eu encontrei com o dito cujo:
– Hum, pintou o cabelo de escuro, agora ta entendendo tudo! Você está mais gordinha ou é a roupa?
– Você não reparou que eu estou grávida?
– Ah, eu pensei que era barriga de chope!
O típico chato, só de olhar você já sabe. Ele lança perdigotos na sua cara, fala impropérios, nunca vai embora, é um grude que quer se
enturmar de qualquer jeito. É um detalhista, sempre te conta as coisas com os mínimos detalhes, tim tim por tim tim. A vontade que dá é de falar:
– Meu filho, vamos direto ao ponto! Ô coisa mais chata!
Mas deixando o chato caricato de lado, posso dizer que de chato todos temos um pouco. Por exemplo, tem o chato implicante. Que discorda de tudo, de toda e qualquer opinião. Tudo que você começa a falar, ele diz:
– Não, eu discordo!
Você não consegue terminar uma frase, concluir um pensamento. Ele é um autista, fala sozinho quase que o tempo inteiro. E se esse ainda bebe um pouco, caceta, fudeu!
Mas eu não posso esquecer o chato pessimista. Pra ele nada dá certo, todos estão contra ele. O mundo é cruel. Esses têm umas características psicóticas. Tem mania de perseguição, rompantes violentos e depressivos. Eles reclamam da vida, você tenta ajudar com boas palavras, aí eles justificam falando mal do mundo inteiro e se você contraria, eles dão um ataque de loucura, gritam, agridem e logo depois pedem desculpas chorando dizendo que nada pra ele da certo… É um circulo dos diabos! Se encontrar um desses, fuja! É o mais seguro a fazer.
Tem também o chato competitivo. Não é só com as coisas boas que ele disputa com você, é com as ruins também. Ele tem sempre o problema maior que o seu, a doença maior que a sua, a divida maior que a sua, enfim tudo o que você conta pra ele, ele rebate. Chega ao absurdo de você dizer pra um chato rico:
– Ah, eu to tão pobre!
Ele diz:
– Imagina eu!
E o chato corta barato? Você está se esbaldando numa torta de chocolate e ele diz:
– Você quantas calorias tem essa bomba?
Tem também o chato critico de plantão, ele não produz porra nenhuma, mas fala mal de tudo o que os outros fazem:
– Gostei, mas poderia ser melhor!
E tem também o eco-chato, vegetariano e engajado nas questões ambientais que vai com você pra churrascaria só pra falar suas teorias e sobre a alimentação natural, tem o intelectual, aquele que caga conteúdo o tempo todo, tem o de esquerda, aquele que é contra a tudo que é veículo de massa, tem o chato-mãe, aquele que espera você se dar mal em alguma coisa só pra dizer: – Eu sabia que isso não ia dar certo, tem o chato pilha, aquele que fica te enfiando caraminholas na cabeça, ou seja tem chato de todo jeito. É ruim de viver sem cruzar com algum pelo caminho. Chato é praga!
Definitivamente os chatos são uns insensíveis que põem o dedo na ferida da gente. Não repeitam nada, o nosso trabalho, as nossas fraquezas, os nossos desejos, enfim. “Não há perdão para o chato”, como já dizia o cazuza.